O Bem que vem do Mal

por desapiero

“Concerto à memória de um anjo” é o título de uma coleção de quatro contos do escritor francês Éric-Emmanuel Schmitt, vencedora do prêmio Goncourt  de contos de 2010. Os três primeiros contos do livro narram histórias de pessoas que cometeram grandes crimes ou erros no seu passado e, depois, por alguma forma de intervenção de Santa Rita – o autor foi criado agnóstico, mas tornou-se católico – encontraram, ou rejeitaram a redenção. O quarto conto tinha um começo chato e eu não o li, mas deve dizer algo parecido, também.

Um dos contos narra a história de dois violinistas: Chris, um jovem arrogante e inescrupuloso, disposto a tudo para conseguir sucesso, e Axel, um rapaz dócil, altruísta e despreocupado com sua carreira. O primeiro é um violinista bom, mas que não exibe um talento nato e necessita de muito treino e dedicação, enquanto que Axel, sem o menor esforço, transforma qualquer demonstração no violino numa obra mestra. Um professor dizia que Axel possuía tanta doçura e carinho que ele era capaz de transformar o Concerto à Memória de um Anjo, obra dodecafônica (ou seja, criada para ser assustadoramente feia)  de Alban Berg em algo belo de ser ouvido. Clique, leitor, aqui e veja se isso é possível.

Enfim, os dois violinistas são convidados a participar de um concurso e, num determinado momento, Axel fica preso numa fenda numa praia e começa a se afogar. Chris presencia o ocorrido, mas, com a certeza de que seu rival coseguiria o prêmio do concurso no seu lugar, o deixa afogar-se e e morrer.

Vinte anos depois desse episódio, descobre-se que Axel não morreu, pois foi socorrido por um outro participante do concurso, mas ficou meses em coma e teve sérias sequelas que o fizeram perder os movimentos abaixo da cintura. Tendo que abandonar a música, ele se mudou para a China, onde tornou-se um empresário bilionário, explorando a mão de obra local para fabricar e objetos religiosos e, também, falos de borracha lol. Com tudo que lhe ocorreu, Axel tornou-se o oposto daquilo que fora um dia: cínico, ele dispensa todo ser humano como um animal tão bom quanto o seu ambiente lhe permita ser e afirma que a inocência das pessoas deve ser aproveitada.

Após longos períodos de pesquisa, Axel finalmente descobre o paredeiro do homem que o deixou para morrer e decide exercer sua vingança sobre ele. Ao encontrar Chris, no entanto, ele percebe que, ao longo desses vinte anos, seu assassino tinha se arrependido profundamente do que ele havia feito. De fato, Chris abandonou sua carreira de músico e dedicou sua vida a cuidar de adolescentes problemáticos e de idosos com problemas de saúde. Não obstante, Axel, com o auxílio de seus capangas, leva seu inimigo, sob a mira de um revólver, para dentro de um barco e, então, para o meio de um lago.

No meio do lago, Axel obriga Chris a amarrar pesos de chumbo em seus pés e começa um diálogo com ele. Os dois percebem, então, que cada um tornou-se o oposto do que eles foram na juventude. Chris, no entanto, se sente o maior culpado: com o episódio do afogamento, ele viveu anos tentando tentando se redimir e tornar-se uma pessoa melhor, ao passo que seu pecado levou Axel a tornar-se uma pessoa má; ele não só tentou matar um inocente, mas matou sua inocência. Ciente disso, Chris decide, por si mesmo, jogar-se no lago e se afogar, esperando que esse gesto incute no seu antigo rival uma faísca de humanidade. Axel, então, entende que ele não desejava a morte de Chris e se joga de sua cadeira de rodas para tentar salvar seu antigo assassino. Dez anos mais tarde, um pescador encontrar dois esqueletos de homens adultos abraçados e um padre local batiza um rochedo próximo de Caim e Abel.

Imagem


Caim logo depois de matar Abel, por Henri Vidal. Está na Praça das Tulherias, em Paris.

Em ambos os casos, essas pessoas cometeram atos atrozes e, por causa deles, decidiram se redimir. O fato deles terem feito algo errado foi a trampolim a partir do qual eles se lançaram para uma vida de virtude, em busca da redenção. De certa maneira, eles só descobriram o bem por conta do mal que fizeram e, no perdão, entenderam o valor da compaixão.

Curioso foi notar que um estúdio polonês, inspirados em filmes de velho-oeste italianos, transmitiu a mesma ideia por meio de um video-game. O protagonista do jogo Call of Juarez: Gunslinger deve passar o jogo inteiro na cola do assassino de seu irmão. Após anos de busca, ele entende que sua sede de vingança o fez matar mais pessoas e o tornou numa pessoa pior que o próprio assassino que, justamente, ele tentava alcançar. Para resolver essa equação, no entanto, sempre é necessário que haja amor.

TL;DR: “O sacrifício é a medida de todo amor.” Éric-Emmanuel Schmitt

Anúncios